sábado, outubro 15, 2016

MALUCA SOU EU

Ela me lembra hoje, à distância, Anne Hathaway, em muitos momentos de O Diabo Veste Prada. Era bem branquinha, cabelão com franja quase cobrindo os olhos negros e profundos, boca enorme que, no entanto, pronunciava as palavras com delicadeza. Chamava-se Lygia, vinha de Niterói para dar aulas no grupo escolar onde eu fiz o primário.
Uma professora inesquecível, sem dúvida! Desde o primeiro dia de aula, me encantou. Muito jovem, não tinha mais de 25 anos, temperamento forte apesar da palidez da pele, e ainda por cima envolta na névoa de quem vinha da cidade. Descia todas as manhãs no ponto de ônibus em frente à minha casa, subia com graça a ladeirinha rumo à escola.
O dia ainda escutava os últimos agudos dos galos madrugadores enquanto eu, muito menina, já de pé, lavava o rosto, vestia o uniforme, tentava acertar o laço de fita azul marinho que fechava a blusinha branca. Minha mãe dormia sem culpas porque, embora eu fosse a filha única da casa, nunca me deu maiores regalias. Eu que me virasse por conta própria.
Meu pai, nessas horas, levantava comigo e me preparava um café, nada de breakfast, café puro, cheiroso e quente, que dava energia para a manhã que vinha pela frente, até a hora da merenda. Eu subia afoita a ladeirinha, chegava quando já se ouvia o hino no pátio. A criançada enfileirada e sonolenta não entendia nadinha do que cantava.
Me posicionava nos primeiros lugares da fila, era uma das menores, não via a hora de entrar e estudar – confesso, eu gostava daquilo! As aulas de Dona Lygia (era assim que a chamávamos, cheias de admiração e respeito) eram boas de ouvir e de ver. Acho que minhas amigas não percebiam tanto, eu já tinha lá essa mania de olhar o mundo com poesia.
Quando a aula acabava, minha estratégia era ficar enrolando para descer com ela a ladeira. Queria estar mais próxima, quase como se fosse amiga íntima daquela pessoa que admirava tanto. Um dia, levei minha boneca para escola e desci falante ao lado da professora. Com ela ia outra moça, as duas falavam com muitos gestos, do que falavam?
Foi então que ela fez umas caretas e trejeitos, dançou, deu uns pulinhos e a amiga riu. Ingenuamente resolvi mostrar minha presença e entrar no assunto. Fiz o comentário infeliz: – Ih, Dona Lygia, parece uma maluca! Ela não gostou, ficou vermelha, me cobriu de um esporro tão vergonhoso, que não consegui dizer mais palavra alguma.
Entrei silenciosa em minha casa, fui para o meu quartinho, abracei minha boneca (coisas que eram minhas, sem resistência e sem reservas) e chorei até dormir, sem vontade de almoçar. Desde então, Dona Lygia quebrara o encanto, não era mais a minha professora querida porque não podia compreender que maluca não era desrespeito, era elogio!



4 Comments:

Blogger Laura said...

Que prazer ler esse texto!
Maravilhoso!

9:51 AM  
Blogger Laura said...

Que prazer ler esse texto!
Maravilhoso!

9:51 AM  
Blogger Ana Paula Motta said...

Encanto quebrado dói né? Depois a gente supera, sublima e é capaz de escrever um texto bonito como esse! Beijo

11:05 AM  
Anonymous Cleir do Valle said...

Obrigada, Laura! valeu Ana Paula!

Muito bom receber a visita e o carinho de vcs por aqui...

Voltem sempre. Bjo, Cleir.

12:37 PM  

Postar um comentário

<< Home